quarta-feira, 15 de junho de 2011

VALORES, VERDADES E MENTIRAS

A "lógica" dos valores, crenças, Hábitos e Convicções nas quais nossas vidas se baseiam

Quatro Verdades A Respeito Da Verdade

1 - A verdade é auto-evidente: objetiva, clara e concreta.

Portanto, não precisa de nenhum intérprete, de nenhum interlocutor. Ela "fala" e se manifesta por sí própria, e o veículo dessa manifestação, a linguagem da verdade, se chama "fatos". É preciso manter distância de quem se arvora a ser o "portador da verdade" ou o "intérprete da verdade". O cara é, no mínimo, louco.


2 - A verdade é UMA SÓ.

Como se diz por aí, toda história tem três versões: - a minha, a sua e a verdadeira. A única que interessa é a verdadeira. Aliás, é a única que existe. As outras não são "fatos", são "versões".


3 - A verdade está disponível para qualquer pessoa. Enxergá-la ou não é uma escolha pessoal.

A maioria se nega terminantemente a vê-la, pois isso colocaria em cheque VALORES, CRENÇAS, HÁBITOS e CONVICÇÕES OCAS E SEM NENHUM FUNDAMENTO, que têm dado sustentação às suas vidas vazias e sem significado, mas cheias de reverências sociais.


4 - O conhecimento da verdade não é de maneira nenhuma suficiente para mudar a realidade. O que muda a realidade são atitudes que alguém toma a partir do momento em que conhece a verdade.

Mesmo depois de conhecer a verdade, posso querer continuar na mesma vida de sempre, insistindo em crenças e práticas que dão sustentação à vida miserável que eu estou levando.


Uma coisa é conhecer a verdade, outra é aceitar a verdade e outra ainda é tomar providências práticas para realmente mudar.

MITO

O mito é a forma mais rudimentar de conhecimento e, sua aceitação, de base totalmente irracional, é resultado da pressão do grupo social sobre cada um dos seus indivíduos, pressão essa exercida principalmente com base nos valores, crenças e tradições culturais herdados dos seus antepassados.

O mito é aceito por força de pressão grupal, fé cega nos valores, crenças e tradições ou mera "conveniência", dispensando qualquer explicação científica; não carece de nenhuma pesquisa de campo ou demonstração empírica para ser aceito. Muitos indivíduos abrem mão da verdade em favor de mentiras culturalmente aceitas, apenas para "ganhar favores e recompensas" reservadas apenas para os que cumprem as normas sociais (ou para não perderem a sua tranqüilidade, incorrendo na "transgressão" por inaceitação ou não cumprimento dessas normas...)

O mito é reforçado pela ignorância, pelo medo, pelo preconceito. E quanto maior a ignorância de seus seguidores, maior a sua força. Essa mesma ignorância, aliás, faz com que os seguidores do mito se tornem seus principais arautos, não hesitando em usar qualquer método para aumentar ao máximo o número de crentes - ou combater os descrentes até a morte.

VALORES

Valores são princípios, fundações sobre as quais erguemos o edifício das nossas vidas. São eles que em última análise inspiram, determinam e orientam as nossas ações.

Valores são adquiridos/introduzidos ao longo do nosso processo de socialização. São transmitidos/ percebidos/ transferidos a partir das nossas relações com outras pessoas nesse mundo (primeiro com os pais e demais familiares, depois com professores, colegas, chefes, etc)

A maioria dos nossos valores são mitos, dogmas e tabus que a gente aceita como verdadeiros sem nenhuma discussão porque herdamos dos nossos pais que herdaram dos pais deles que herdaram etc, etc.

A maioria dos nossos valores não tem nenhum fundamento na nossa experiência objetiva, no nosso contato direto com a realidade. Ao contrário, derivam de crenças e tradições quase sempre sem nenhum fundamento, sem nenhuma base concreta.

Por isso, valores precisam ser examinados criticamente o tempo todo. Precisam ser entendidos e assimilados em vez de serem simplesmente "engolidos" sem maiores explicações, de maneira totalmente irracional.

Valores são coisas que a gente considera importantes e fundamentais e que, portanto, acha que vale a pena lutar por elas, defende-las e buscar realiza-las no dia a dia.

Valores constituem a "ideologia ou filosofia de vida" de cada pessoa, ou seja, o conjunto de idéias que orientam o pensamento, as palavras e as ações de cada indivíduo, filtrando, julgando, rotulando e dando significado a tudo que acontece em nossas vidas.

Nossos valores inspiram nossos pensamentos, filtram nossas percepções, determinam nossas escolhas e predispõem nossas emoções, bloqueando ou estimulando toda a minha atividade.

Nossos valores interpretam a realidade que eu vejo, impedindo que eu compreenda essa realidade tal como ela é, ou seja, deformando-a de acordo com as minhas próprias referências.

São nossos valores que nos movem - ou paralisam. Eles constituem os principais motivos pelos quais agimos.

Os fundamentalistas de algumas religiões mostram isso de maneira muito clara quando se transformam em bombas humanas apenas para reafirmar e difundir os valores que consideram fundamentais.

Valores produzem automatismo de pensamento, sentimento e ação.

Sofrimento resulta da constatação de que o mundo real não corresponde ou teima em escapar dos meus valores, daquilo que os meus valores esperariam que o mundo fosse.

Culpa é a vergonha que sinto de não corresponder ao modelo de pessoa que os meus valores dizem que eu devo ser e esperam que eu efetivamente seja.

1 - Continuar casado com alguém que não nos respeita e muito menos nos ama.

2 - Levar uma vida sexual miserável em nome de corresponder aos chamados valores masculinos ou femininos.

3 - Levar uma vida sexual miserável em nome do valor dado ao casamento tradicional.

4 - Envolver-se com jogos políticos.

5 - Perseguir "inimigos" políticos, religiosos, etc.

6 - Ver com restrição, reserva e medo (ameaça) as diferenças expressas no comportamento das outras pessoas (porque elas têm valores diferentes dos nossos)

7 - Recolher-se a uma existência medíocre por valorizar a opinião dos outros (o que os outros vão pensar?)

8 - Considera-se um cidadão inferior por não ter conseguido alcançar as coisas que a sociedade estabeleceu como valores supremos.

MANIPULAÇÃO SOCIAL

O que há em comum entre os partidos políticos, as religiões, as correntes de psicoterapia, os gurus de plantão e os vendedores de qualquer bagulho? Todos estão tentando "me ganhar" o tempo todo, me controlar e legislar sobre o que eu devo ou não fazer da minha vida, do meu corpo, da minha cabeça, do meu coração e, naturalmente, do meu dinheiro.

E tome horário eleitoral gratuito: só existe uma forma decente do país ser governado; portanto vote no nosso partido". E tome programa religioso madrugada adentro: só existe um caminho verdadeiro para se chegar a Deus: - a nossa religião. E tome outdoor em cada esquina da cidade: só o nosso automóvel que pode lhe dar tudo que lhe falta na vida...

E se eu questiono essas "verdades", ditas de maneira tão absoluta, definitiva e convincente, eles têm sempre os "números de uma pesquisa do lado deles". Está duvidando de nós? Então veja as estatísticas de qual Partido foi o mais votado nas últimas eleições... Está duvidando? Veja o quanto a nossa igreja cresceu em número de adeptos nos últimos tempos... Não acredita? Então veja qual foi o automóvel mais vendido no mundo nos últimos tempos...

O poder dos números - eis a mágica da pressão de grupo agindo subrepticiamente na minha consciência... Se há TANTA GENTE acreditando no que nós dissemos, fazemos, pregamos, recomendamos, vendemos, POR QUE VOCÊ DEVERIA SER A EXCEÇÃO? O QUE LHE DÁ O DIREITO DE DUVIDAR DO QUE A MAIORIA PENSA, QUER, FAZ, COMPRA, ACREDITA? QUEM É VOCÊ PARA CONTESTAR A OPINIÃO DA MAIORIA?

O medo de ser rejeitado (pela maioria) faz com que (a maioria) aceite passivamente o que é dito em nome da maioria. É preciso estar muito centrado e atento para não ser levado pela suposta "opinião da maioria".

É preciso sobretudo me lembrar a todo momento que eu não estou disputando nenhum pleito eleitoral, onde eu tenha que "ganhar" o apoio da maioria para fazer o que eu quero da minha vida. Minhas decisões sobre minha vida são exclusivamente minhas e totalmente da minha alçada. Eu momento nenhum eu devo me colocar dentro de um concurso de popularidade para saber o quanto elas agradam ou desagradam a maioria. Não faço concurso de simpatia!!
PENSEM NISTO !!!

video

2 comentários:

  1. Este texto é uma verdadeira consulta ... copiei e republiquei na integra no "arvores mortas - a cegueira do saber" ricardo

    ResponderExcluir
  2. Já recebi críticas tipo: "Como um pastor se expressa desta maneira?"
    Resposta: Não costumo espiritualizar tudo que é carnal e nem carnalizar tudo que é espiritual . Não uso de minha crença em Cristo Jesus, uma bengala para me sustentar ou vender uma falsa imagem de mim mesmo.O que me sustenta na crença Dele é o ensinamento de amar ao meu próximo como a mim mesmo de forma sincera e transparente, sem necessidade de fazer tipo social de demonstrações hipócritas.

    ResponderExcluir

Você é bem vindo e seus comentários são importantes para nós.
Foi encaminhado para o moderador